Jogadoras da seleção dos EUA processam US. Soccer por discriminação de gênero

09/03/2019 10:52

28 atletas entram com ações legais contra a federação de futebol do país em busca de igualdade salarial e condições trabalhistas

Na data em que o Dia Internacional da Mulher é celebrado (08 de março), 28 jogadoras da seleção de futebol dos Estados Unidos deram entrada em um processo conjunto contra a US. Soccer, que é a federação que rege o futebol no país. Elas alegam "discriminação institucionalizada de gênero" e buscam, entre outras reivindicações, igualdade salarial e de condições trabalhistas com relação aos homens.

Todas as atletas, incluindo as estrelas Alex Morgan e Megan Rapinoe, assinaram um documento que discorre em 25 páginas sobre os motivos que levam a acreditar que as categorias femininas de futebol são discriminadas pelo simples fato de se tratar de mulheres. Elas acreditam que isso afeta não só os salários, mas também no que diz respeito a onde jogam, quando, como treinam, o tratamento médico e até a maneira como viajam.

Com essa ação judicial, as jogadoras batem de frente não somente com sua entidade empregadora, mas com o órgão que controla todo o universo do futebol nos Estados Unidos, ressalta o jornal "The New York Times".

- Eu acredito que fazer parte desse time é entender essas questões. E acho que nós sempre fomos uma equipe que se sustenta e que luta por aquilo que achamos que é merecido, assim como o bem do esporte - disse Rapinoe, em entrevista ao veículo.

A seleção feminina de futebol dos Estados Unidos, que se prepara para defender seu título na Copa do Mundo da França, em junho, é três vezes campeã do mundo e quatro vezes medalhista de ouro nas Olimpíadas. A masculina, por sua vez, participou de 10 edições da Copa, sendo seu melhor resultado um terceiro lugar em 1930.

Fonte: Globo Esporte/ Foto: Divulgação